Sulwe: A jornada mágica sobre colorismo e amor próprio

Atualizado: Fev 17

“Sulwe significa estrela, daquelas que aparecem no céu da meia-noite. E quem não gostaria de ter um nome desses e de brilhar feito astro celeste?”


O livro de estreia da produtora e atriz vencedora do Oscar, Lupita Nyong’o, conta a história da pequena Sulwe, a filha mais nova e a que tem a pele mais escura de sua família, como a meia noite.

Tímida, ela sofre internamente por não se achar parecida com a família e nem tem amigos que tenham a pele da mesma cor que a sua. Enquanto a irmã recebe elogios e apelidos carinhosos, ela sofre bullying e é chamada de escurinha e noite por outras crianças. A pequena sonha em ser como a Mich, da pele da cor do outro astro, um amanhecer, radiante feito a luz do meio-dia, cheia de amigos, amada e admirada por todos.

Decidida a fazer algo para ser aceita, Sulwe começa incansavelmente a tentar clarear a própria pele, comendo apenas alimentos de tons claros, tentando apagar a cor da pele com uma borracha e usando escondido as maquiagens da mãe. Como nenhum dos procedimentos funcionam, ela decide orar pedindo a Deus que ela acorde com a pele clara.



Quando a mãe vê o desespero da criança para ser aceita em seu grupo, explica o quanto ela é linda, e que sua luz e beleza vem de dentro. Para ajudar a criança a se amar, os céus envia uma estrela especial para lhe contar uma história sobre duas irmãs, Noite e Dia, que se tornaram inimigas devido ao preconceito da sociedade.

Em uma jornada mágica, ela descobre que sem a noite o mundo estaria condenado a viver sempre com um calor escaldante, em um dia eterno. Pois além da escuridão embelezar os céus de um jeito que só pode ser apreciado ao final do dia, uma não consegue existir em harmonia sem a outra.

Em uma obra quase biografia, Lupita Nyong’o traz neste livro uma discussão necessária sobre racismo, colorismo, empoderamento e aceitação para crianças negras. Como as inúmeros obras infantis, esta história é indicada para adultos, que terão o coração partido ao ver garotinha tentando se amar em um mundo sem representatividade.


Lupita Nyong'o | Fonte: Getty Imagens

É impossível não citar as ilustrações de Vashti Harrison que contribuem ainda mais para tornar a experiência de leitura repleta de magia. Criando os contrastes entre o dia e noite, as imagens nos deixam ainda mais impactados com a forma que as personagens eram tratadas na obra. Com projeto gráfico impecável, a aparência livro de capa dura chama muito mais atenção nas prateleiras, sendo a embalagem perfeita para conquistar jovens leitores.



Capa dura: 48 páginas

Editora: Rocco Pequenos Leitores; Edição: 1 (15 de outubro de 2019)

Idioma: Português


Compre por aqui e ajude nossa equipe.











nossa equipe tfp.png
  • YouTube
  • Twitter
  • Instagram

© 2020 por The Feminist Patronum.