Netflix acertou em sex education

Atualizado: 1 de Fev de 2019

NETFLIX ACERTOU! E eu falo isso com toda a certeza que eu poderia ter.

Sex Education é a mais nova aposta da plataforma Netflix e a queridinha de muitos internautas. Criada por Laurie Nunn, a série teve seu primeiro episódio no ar no dia 11 de janeiro de 2019, a trama equilibra perfeitamente a dosagem de comédia e drama e tem como foco o sexo em diferentes abordagens, e é nesta base em que a história começa a se desenrolar a partir da temática principal.


Sex Education inicialmente nos apresenta a Otis, o protagonista, e é através dele que nós acompanhamos a passagem da história. Otis é um adolescente de 16 anos que está no ensino médio, é virgem e apesar da falta de experiência ele resolve bancar o guru do sexo em sua escola com seus colegas de turma, e como todo e bom adolescente ele possui seu mais particulares problemas, principalmente envolvendo o assunto sexualidade. O que algumas vezes acaba causando certa ironia pelo fato dele ser filho de uma terapeuta sexual, e essa relação conturbada com a profissão da mãe e a forma que um garoto de dezesseis anos vê isso já é alguma das questões iniciais levantadas pela trama, e não demora muito para que os outros problemas dele sejam evidenciados.



O enredo não se prende apenas ao personagem principal, os personagens secundários tem quase tanto desenvolvimento quanto o próprio protagonista, até porque é evidente a dependência de Otis aos outros personagens, e todo o crescimento dele dentro da série se dá justamente pelo desenvolvimento das outras personalidades subsequentes. Onde é possível conhecer um pouco mais sobre a vivência, experiências, razões e motivações desses personagens. Isso acontece gradativamente a cada episódio de uma maneira sutil, assim como quase todos os acontecimentos da série, possuindo sempre muita descontração e não deixando de abordar assuntos considerados como tabu.


O roteiro é visivelmente bem estruturado e quase sem falhas, onde tudo se encaixa na mais perfeita forma sem pressa ou falta de explicação, onde é capaz de falar sobre temas delicados com leveza e de uma forma não agressiva, tornando a experiência ao assistir bem mais confortável. E talvez tenha sido essa a “sacada de mestre” de Sex Education, pois ela aborda o tema de uma forma cuidadosa e deixando o receptor digerir e formular novos pensamentos sobre a temática abordada.


A construção dos personagens são boas, assim como as atuações dos atores do seriado, Gillian Anderson está presente no elenco interpretando Jean, uma mulher solteira, (aparentemente) bem resolvida e mãe de Otis, a princípio se mostra ser independente, contemporânea e decidida, mas ao decorrer dos episódios todas as suas inseguranças e medos são expostos revelando a fragilidade oculta da personagem.


Como a trama nos permite ter acesso a diferentes realidades de vida dos personagens, nos é apresentado outras ilustres figuras, tais como Maeve, uma adolescente rebelde, de poucos amigos, forte, destemida e corajosa, que tem um papel primordial na trama, pois é através dela e de seu poder de persuasão que convence Otis a se tornar uma espécie de terapeuta sexual com seus colegas.


Adam também é outra personalidade que chama bastante atenção no seriado, forte, bonito, impulsivo, brigão e filho do diretor que vive se metendo em encrencas. É um personagem que você vai desenvolvendo empatia aos poucos após entender as razões que levam ele a ser assim, mas de toda a trama foi o único personagem que não recebeu toda atenção que merecia o que acabou comprometendo um pouco do desenvolvimento dele.



Mas quem conseguiu roubar a cena diversas vezes foi o novato Ncuti Gatwa, que interpreta Eric, um jovem negro, gay de pais cristãos que torna a narrativa mais forte e encorpada. Eric é o responsável por balançar com a estrutura sutil do roteiro fazendo com que o telespectador seja confrontado com a verdade do personagem, é dono das cenas dramáticas mais marcantes e inesquecíveis da narrativa e é totalmente cativante.

Sex Education já tem motivos de sobra para ser a queridinha de milhares de pessoas pelo mundo afora, e desde seu lançamento gira em torno de 40 milhões de visualizações por parte do público.




  • YouTube
  • Twitter
  • Instagram

© 2020 por The Feminist Patronum.