Resenha: O Diário de Nisha

Em 1947, a Índia, que era habitada por hindus e muçulmanos, se liberta da Inglaterra e tem seu território dividido em dois: A Nova Índia e o Paquistão.


Nesse momento, um país considerado tranquilo e pacífico se torna alvo de tensão e muita violência entre os próprios habitantes.



Divulgação: Darkside


Nisha mora com seu pai, seu irmão gêmeo Amil, sua avó e o cozinheiro da família em uma casa muito aconchegante e afastada da cidade. Sua vida pode não ser perfeita, mas ainda assim ela é tranquila e feliz.


O livro é narrado através dos textos de Nisha em seu diário, que ela ganhou de presente em seu aniversário de 12 anos, em uma forma de escrever tudo o que acontece para sua falecida mãe (que morreu quando ela e seu irmão nasciam).


Começando de uma forma leve e introdutória, a história ganha proporções intensas a partir do momento em que as crianças sentem a violência em um lugar onde sempre se sentiram confortáveis. A mudança no tom do livro é notória, e a tensão crescente dentro da família também, você sente um apego inexplicável enquanto acompanha todos deixando suas vidas para trás e adentrando em um percurso perigoso rumo ao novo país.


Nisha no início não entende porque precisa deixar sua casa para trás, afinal, todas as religiões sempre conviveram tão bem entre si, qual o motivo da repentina mudança? Vindo de uma família onde o pai é hindu e a mãe era muçulmana, para ela, não existe motivo para dividir as pessoas se todos por dentro são exatamente iguais. Nesse caso, a qual lado ela pertence?


A Editora DarkSide traz uma edição lindíssima e extremamente delicada para apresentar essa história comovente e intensa do início ao fim.


Ao final, a autora escreve uma nota intitulada “Por um futuro mais pacífico” onde conta sua história e acrescenta uma frase que considerei um ótimo resumo do livro:


“Ainda existem tensões entre certos grupos de hindus e muçulmanos hoje em dia, bem como entre muitos grupos religiosos no mundo todo. Espero que lembrar os erros do passado possa criar um futuro mais esclarecido, tolerante e pacífico. Aceitar as diferenças sempre foi um grande desafio para a humanidade e isso se manifestou de milhares de maneiras. Essa foi uma delas.”

Esse é um livro com o poder de te tirar da zona de conforto, te emociona em alguns momentos e te faz sorrir em outros. Nisha é inocente e ao mesmo tempo muito inteligente, apesar de reservada, você simpatiza por ela logo de cara e torce muito pelo bem de sua família.



Ficha Técnica:

O Diário de Nisha

Veera Hiranandani

Editora DarkSide Books

288 páginas


Compre por aqui e ajude nossa equipe.










nossa equipe tfp.png
  • YouTube
  • Twitter
  • Instagram

© 2020 por The Feminist Patronum.