Resenha: Cidade da lua crescente

Anjos, lobisomens, vampiros, feericos, humanos, governadores, Príncipes e Reis. Sarah J. Maas não poupou ninguém no primeiro livro de sua nova trilogia.


Foto Dunia Ahmad

Ambientado na cidade de Lunathion, conhecemos Bryce Quinlan, uma jovem meia humana e meio feerica que mora com a sua melhor amiga inseparável, Danika. Enquanto Bryce não tem poderes e precisa lutar por cada pequena conquista, Danika é a lobisomem mais poderosa da atualidade e próxima líder de sua geração.


Apesar de as duas serem conhecidas como festeiras, ninguém ousa entrar no caminho do que Danika e Bryce fazem, mas as coisas mudam quando, misteriosamente, Danika e toda a sua matilha são brutalmente assassinados. Deixando Bryce eternamente com um buraco na alma e em apuros.


Casa de Terra e Sangue é um livro grande e complexo, os primeiros 5 capítulos servem para ambientar o leitor em toda a trama política e histórica deste universo que, para mim, é uma versão de ACOTAR porém 10 vezes maior (no mínimo). Muitos consideraram este início lento, mas tudo o que é apresentado é extremamente importante para entender o plot principal do livro: a investigação de Bryce e Hunt, anjo assassino particular do Governador, para ligar todos os recente acontecimentos, impedir que uma poderosa nova droga se espalhe pela cidade e encontrar um amuleto poderoso há muito desaparecido.


Vencendo a introdução o livro me conquistou em absolutamente todos os quesitos como enredo, desenvolvimento dos personagens, reviravoltas, romance, momentos leves e momento de pura ação e tensão.


Ele tem tudo o que uma boa fantasia precisa, quero entender o que a escrita da Sarah tem que me conquista tão fácil, foi o primeiro "livro um" dela que acerta em 99% das escolhas, o 1% que fica devendo foi por fazer ele tãooooo extenso, ainda sim, este livro é o auge do talento dela até agora.


Estava pronta para levar um mês lendo, mal levei uma semana. Envolvente do início ao fim.


Já estou morrendo de medo do que ela tem planejado para os próximos livros, levando em consideração quão difícil foi ler os últimos 30% desse. Chorei horas sem parar, nem é meme.



  • YouTube
  • Twitter
  • Instagram

© 2020 por The Feminist Patronum.