Queer Eye: 5ª temporada é um conforto necessário em tempos difíceis

A 5ª temporada de Queer Eye chegou à Netflix em 5 de junho com 10 novas histórias de transformação (as temporadas anteriores contam com 8 episódios cada) e se você já assistiu a série antes, sabe como a dinâmica funciona. A única diferença é que, agora, os cinco fabulosos, Jonathan Van Ness, Bobby Berk, Karamo Brown, Anthony Porowski e Tan France, saíram de Atlanta e estão na Filadélfia, também nos Estados Unidos.



A ideia da transformação por completo, que vai muito além de uma reforma na casa, de um guarda-roupa novo ou de um corte de cabelo moderno, continua emocionante de assistir. As jornadas dos heróis, como são chamados os participantes, são narradas de maneira sensível e dá abertura para que o espectador crie um afeto que vai além dos pouco mais de 50 minutos de tela.


Ao mesmo tempo, é divertido assistir o quinteto de apresentadores extremamente carismático socializar entre si e com os heróis. O diferencial dos fabulosos é que eles se permitem participar da experiência tanto quanto a pessoa que irá passar pela transformação e, por isso, também é fácil se conectar com eles.



No primeiro episódio conhecemos Noah, um pastor gay que sente que isso é um problema para liderar o centro religioso. Entretanto, ele quer fazer a diferença naquela comunidade e agregar as pessoas, independente das diferenças. Essa perspectiva se torna ainda mais fácil de visualizar quando Bobby conta como foi difícil lidar com o julgamento dentro da igreja na sua infância por causa da sexualidade e ressalta a importância de um espaço espiritual que aceite pessoas LGBTQ+.


Em outros episódios, o grupo vai além de ajudar no processo de autoconfiança e parte para ações práticas. No caso de Rahanna, que é dona de um serviço de tosa de cães e quer restabelecer seu negócio, eles criam materiais de divulgação para a empresa. Para Tyreek, um jovem que trabalha em uma ONG ensinando crianças carentes a ler, eles encontram uma consultora financeira que o auxilia a abrir uma conta no banco.



nossa equipe tfp.png
  • YouTube
  • Twitter
  • Instagram

© 2020 por The Feminist Patronum.