Pose e a comunidade LGBTQ+

Há dois anos atrás, acontecia a premiere de Pose, série de Ryan Murphy. A série conta com um cast de atores trans, pretos e latinos, que ilustram parte de história LGBTQ+ na década de 80, época quando Trump começava sua fama e muitos “balls” aconteciam dentro da comunidade gay.


Divulgação FX

Cada personagem tem sua história de vida contada e todos tem suas diferenças e profundidade. As relações entre eles são de amor, como uma família, mas também que sofrem por brigas e divergências entre si, se ajudando a crescer e a realmente sobreviver nesse mundo.


Mj Rodriguez, de descendência afro americana e porto-riquenha, é a atriz principal da série no papel de Bianca Rodriguez. Após sair da casa de uma família extremamente tóxica que participava, Bianca decide criar sua própria casa e cuidar de seus filhos: The House of Evangelista. A casa conta com Angel (Indya Moore), ator não binário, que no show trabalha no meio da prostituição para sobreviver. Assim, conhece Stan Bowes (Evan Peters), yuppie que trabalha para Donald Trump e casado, ele mostra o contraste da vida dos principais, sendo mostrado assim o mundo de opressor/vítima. Outros membros da casa Evangelista são Esteban “Lil Papi” Martinez (Angel Bismark Curiel), e Damon Richards (Ryan Jamaal Swain), dançarino e um dos filhos mais queridos de Bianca. A série também conta com as participações incríveis de Billy Porter, como Pray Tell, e Dominique Jackson como Elektra Wintour, mãe da antiga família tóxica de Bianca.


Um problema muito comum entre os filmes e séries LGBTQ+, especialmente quando se trata de transexualidade, é a falta de escritores, diretores, produtores e atores que realmente se encaixem nesses grupos, porém com Pose, não temos esse problema.


Com a primeira temporada disponível na Netflix Brasil, a série é muito importante não só para que tenhamos a vivência de maneira muito bem representada de personagens transexuais, mas que também tenha atores e atrizes diversificados que possam atuar nesses papéis tendo oportunidades de aparecer no mainstream.


Recomendo DEMAIS essa série não somente para pessoas do LGBTQ+ e aliados, mas também para qualquer um querendo aprender mais sobre e expandir seu conhecimento. Não deixe de assistir!



nossa equipe tfp.png
  • YouTube
  • Twitter
  • Instagram

© 2020 por The Feminist Patronum.