Nona - Si me mojan, yo los quemo (Se me molham, eu os queimo)

Nona, traz a história de uma senhora que vive praticamente isolada na vila Pichilemu, no Chile. Desde a cena inicial você fica intrigado, afinal… (sem spoiler). Na região, há recorrentes incêndios, que os moradores atribuem ao próprio Diabo, mesmo quando os peritos atribuem como intencionais, criminosos.


Divulgação: Vitrine Filmes

A dúvida sobre o que está acontecendo e o que está por vir é muito marcada pelos diálogos, que não induzem a nenhuma resolução, muito pelo contrário, são conversas rotineiras ou do passado e curtas.


O aspecto visual é muito bem produzido, com uma fotografia que acompanha a trama ao utilizar tons quentes e takes longos. Aliado a isso, grande parte das cenas são feitas no formato de falso arquivo pessoal.


O figurino de Nona também carrega essa característica das cores, nos momentos referentes ao fogo, utiliza roupas vermelhas, ao se referir a água: azul.


O filme até a primeira metade, parece ser um pouco arrastado, por apresentar situações isoladas, que deixa o espectador sem entender, mas isso é um pouco característico dos filmes latinos, e para os que têm o hábito instaurado de consumir o cinema norte americano com filmes frenéticos e cheios de ação podem se cansar facilmente.


De modo geral, o filme não segue uma linha tênue entre presente e futuro. Mas brinca com os acontecimentos de modo não linear. No fim, todas as pontas soltas são solucionadas.


Dirigido por Camila José Donoso, o longa é uma parceria entre Chile, Brasil, França e Coreia do Sul. Foi selecionado para o Festival de Rotterdam, que aconteceu entre 23 de janeiro e 3 de fevereiro de 2019.


Estreia dia 18 de fevereiro nos cinemas brasileiros



  • YouTube
  • Twitter
  • Instagram

© 2020 por The Feminist Patronum.