the feminst patronum logo

Mas... e se ele ficar (Maria Freitas) | Resenha

Antes de fazer essa leitura e a do livro, é importante deixar o alerta de gatilho para temas como alcoolismo, depressão, câncer, bullying, traição e vingança.


Não importa quantos ou quais livros de Maria Freitas eu leia, sempre irei evidenciar que o trabalho da autora dá um quentinho no coração devido às referências utilizadas, principalmente da cultura nerd, como Doctor Who e Star Wars, aliás, os melhores beijos acontecem com algum indicativo de DW. Porém, a proximidade que autores nacionais e independentes nos proporcionam é a utilização de referências muito próximas a nossa realidade e vivência. Maria usa muitas referências de música sertaneja, e o que costumávamos ouvir em nossa infância ou adolescência, como Pitty, Rebelde e outros.



Caso já conheça a história de Pedro, Cris e Henrique, você foi presenteado com o combo completo desse trisal em “Mas... e se ele ficar”. O romance traz todas as histórias independentes que já haviam sido publicadas, com um temperinho a mais para que essas conexões se aproximassem e esse relacionamento pudesse ser visto de forma completa. Quem não conhecia, não se preocupe, não é necessário ler os anteriores, todos estão compilados em um só lugar, em ordem cronológica e cheio de reviravoltas.


Três pessoas unidas pelo amor ao sertanejo; a Santa Má, cidadezinha do interior de Minas Gerais; e uma paixão incontrolável um pelo outro, mas principalmente por Cris. O que a história deles três mostra é que é possível sim, ser feliz. O autoamor é um ponto marcante na história, e só permitiu o desenvolvimento de outros sentimentos, principalmente o perdão, quando este primeiro estava bem estabelecido.


À medida que o livro é leve em seus diálogos e cenários, a autora coloca questões importantes, muito marcantes no que a sociedade em que vivemos dita como bela ou correta. Assim como a superação de feridas profundas e problemas significativos, sem romantizá-los.


Na dúvida, leia e como complemento ouça a playlist que Maria Freitas criou especialmente para este romance, com todas as músicas citadas no livro e uma composição original tema da trama.


Compre aqui e ajude o The Feminist Patronum a continuar crescendo.