Mães na TV e no cinema

Em homenagem ao dia das mães aqui estão alguns filmes e séries que retratam a relação

mãe e filha, também refletindo sobre como esse amor materno não é algo fixo, igual para

todas, mas diferente em todas as relações.


Lady Bird

Christine (Lady Bird) é uma adolescente de 17 anos que quer mais da vida do que sua família pode oferecer. Ela sonha em sair da cidade de Sacramento e viver em uma cidade grande, tendo uma vida "de verdade", mais relevante. Sua relação com sua mãe é bem complicada, as duas vivem discutindo e nunca parecem estar de acordo com nada, muitas vezes machucando os sentimentos umas das outras. O filme tem cenas de discussões que refletem a realidade de muitas meninas e traz momentos que acho que todas podemos nos identificar, como a mãe dizendo que para a filha nada nunca é o suficiente e que ela não dá valor ao que os pais dão duro para conseguir, ou a cena que a Christine diz que gostaria de que sua mãe gostasse dela. O que o filme faz de melhor é mostrar como esquecemos que a nossa mãe também é um ser humano, que tem sentimentos e obstáculos pessoais, que não é apenas mãe.


Um Lugar Silencioso (A Quiet Place)

Um dos meus filmes favoritos (e não só pelo fato de ter Emily Blunt), A Quiet Place é muito mais do que um filme de terror com monstros, ele coloca a família em foco, e como pais fazem de tudo para proteger seus filhos. No filme não é revelado o nome de nenhum personagem, isso foi proposital para que tivéssemos a sensação de que aquela família pode ser qualquer uma, aquelas pessoas poderiam ser qualquer um de nós, e mostra que a proteção paterna e materna é a mesma em todas as famílias e que está acima de tudo. Blunt interpreta uma mulher grávida que com seus dois filhos e marido tentam sobreviver em um mundo pós apocalíptico, no qual criaturas que possuem super audição matam qualquer coisa que faça barulho. Ela é ao mesmo tempo gentil e feroz e tenta fazer com que seus filhos se sintam seguros e vivam uma vida o mais normal possível. Teve um parto silencioso para poder proteger seu bebê e não hesitou em entrar na frente de sua filha quando uma criatura estava a poucos metros de distância.

"A Quiet Place" mostra o amor e a união de uma família em seus momentos mais difíceis e como um pai e uma mãe sempre se colocarão na linha de fogo pelos filhos, os protegendo a qualquer custo.

Eu nunca vou superar Blunt não ter sido indicada ao Oscar.


Big Little Lies

A série da HBO vai além do mistério sobre um crime, ela mostra 5 famílias, totalmente diferentes, e como as mães se dedicam aos seus filhos de modos distintos, os amando de jeitos diferentes. Cada mãe tem uma dificuldade central: Celeste sofre abuso físico e psicológico do marido, Jane cria seu filho sozinha depois de ter sido abusada, Renata não sabe quem está machucando sua filha que tem hematomas pelo corpo...

Nicole Kidman ganhou um Emmy por sua participação na série, seu trabalho como Celeste foi o que mais me tocou, com sua interpretação de uma mulher que é abusada pelo marido mas que esconde isso pelo medo de perder a família que tem. A série junta essas mães em diferentes circunstâncias e mostra como apesar de serem tão diferentes ela só querem proteger seus filhos, também mostrando como mulheres que se unem são ainda mais fortes.


O Quarto de Jack (Room)


No filme que deu à Brie Larson o Oscar de melhor atriz conhecemos uma mulher que foi raptada quando tinha 17 anos e colocada em um quarto como cativeiro. Ela tem um filho de 5 anos de seu abusador.

Um dos filmes mais lindos que já vi, Brie traz uma mulher que teve que criar seus filho em circunstâncias inimagináveis mas que apesar de tudo lhe deu um ambiente em que Jack cresceu feliz, achando que o mundo todo era aquele quarto e eles e sua mãe iam ficar juntos para sempre. Ela mesmo sabendo da verdade e do horror da situação mentiu para seu filho. Para protegê-lo ela arma um plano que faz com que o menino seja levado para fora do cativeiro e mais tarde ela é resgatada. Depois disso ela tem que explicar para Jack a verdade sobre como o mundo funciona, além de lidar com seus próprios traumas e a relação com sua mãe, que agora tem sua filha de volta, mas nenhuma das duas sabe como lidar com a situação em que estão, encontrando uma na outra a força necessária para passarem por isso juntas.


O Conto da Aia (The Handmaid's Tale)


Na série da Hulu, June (Elizabeth Moss) é uma mulher presa em sistema que retirou todos os direitos das mulheres. Nesse mundo distópico a maioria das mulheres não podem ter filhos e as que podem são obrigadas a sofrerem abusos constantes para que fiquem grávidas, dando seus filhos para as mulheres dos homens que as possuem. June tem uma filha pequena que foi tirada dela no começo da revolução e fica grávida certo tempo depois de ser entregue à um casal poderoso. Ela tenta o máximo reencontrar sua filha, também tentando sobreviver nesse ambiente terrível no qual sua vida não pertence à ela. Temos duas mulheres em contraste: June, que teve sua filha tirada dela e é obrigada a se tornar mãe novamente, e Serena, a mulher que possui June e que não pode ser mãe, e que fez coisas horríveis para que esse sistema funcionasse e ela tivesse essa chance. A série ganhou vários prêmios e além de mostrar como as mulheres são maltratadas na sociedade trata de assuntos como homofobia, racismo, abuso de poder e religião.


A Caixa de pássaros (Bird Box)


Em um mundo no qual não se pode abrir os olhos ou você verá uma criatura que fará você se suicidar, Sandra Bullock interpreta uma mãe que tem que criar duas crianças em um ambiente solitário e quase isolado. O mais fascinante do filme é que Bullock interpreta uma mãe mais rústica e não mostra muito o lado amoroso dela. Ela precisa proteger as crianças e não tem tempo, ou a mentalidade, para ser tão amorosa. Um pequeno erro e eles morrem, e ela não pode deixar isso acontecer. O filme muda essa representação de que mães têm que ser sempre gentis e calmas com suas crianças, que nunca podem perder a paciência ou gritar e serem bruscas. A própria atriz defendeu sua personagem, dizendo que ela não é uma péssima mãe, mas que só está com medo. Bullock revelou que queria mudar a concepção de mães no cinema, aceitando o papel de uma personagem que não queria ser mãe e não tem aptidão para isso, mas que ainda tenta o seu melhor.


Wildlife

Carey Mulligan interpreta Janette, uma mãe que depois de seu marido sair de casa para trabalhar com incêndios tenta seguir sua vida com seu filho adolescente. Criticada por sua personagem que não foi considerada amigável ou simpática, Mulligan dá uma interpretação maravilhosa de uma mulher que tenta mostrar para seu filho que ela não é só mãe dele, que também teve uma vida antes de formar uma família e que não sabe mais quem ela é, pois se perdeu ao longo do caminho. A atriz defendeu sua personagem e a relação com filho, com a seguinte explicação: é sobre reinvenção, 'eu tenho sido uma mãe e mulher por tanto eu não consigo lembrar quem eu sou, se eu tinha uma personalidade antes de ser algo para esses dois homens, agora sou só mãe e só mulher, eu era alguém quando tinha 19 agora não lembro quem é', o que Janette está tentando fazer é destruir essa imagem que ela tinha, que ela sente que é uma mentira, 'eu não sou essa mulher, perfeita, tudo o que pensou que eu era eu não sou então apague tudo isso e vamos começar de novo', então o jeito que ela fala com ele, meio grosseiro, ela está tentando apagar a versão atual dela e ser mais honesta com seu filho.


Menções honrosas


Aqui estão algumas mães que eu não podia deixar de fora de um post como esse. Nem todas as mães são boas mães e isso também é retratado no cinema e na tv então essa lista também contém as que eram péssimas com seus filhos. Entre algumas mãe fictícias que valem a pena serem lembradas.


Beth Pearson (Susan Kelechi Watson) e Rebecca Pearson (Mandy Moore) - This is Us


Catelyn Stark (Michelle Fairley) e Cersei Lannister (Lena Headey) - Game of Thrones


May Parker (Marisa Tomei) - Spider-Man: Homecoming

não é mãe mas é mãe do Peter e isso conta pra mim


LaVona Golden (Allison Janney) - I, Tonya


Adora Crellin (Patricia Clarkson) - Sharp Objects





  • YouTube
  • Twitter
  • Instagram

© 2020 por The Feminist Patronum.