Entrevista Cacá Magalhães

Recentemente o The Feminist Patronum teve a oportunidade de entrevistar a cantora baiana Cacá Magalhães, que recentemente lançou o single Poeira de Estrelas.



The Feminist Patronum - Você possui um poder em sua voz, e escolheu transmitir isso através de Jazz, Blues e Rock, mas por que? Você sente que estes estilos potencializam sua voz ou é porque você sempre esteve ligada a eles desde pequena?

Cacá Magalhães - Sempre escutei muito Jazz e Blues com meu avô e sempre tive uma identificação muito grande com o Rock! Acho que esses são os estilos que mais canto e que mais me inspiram por algo que vem de dentro mesmo, da alma, não sei explicar!

TFP- Cacá, você tem só 14 anos, e já conquistou tantas coisas... isso é admirável e inspirador, mas, deve ser assustador toda essa novidade, então, minha pergunta é: quais são seus métodos para não "surtar" em alguma apresentação ou controlar a ansiedade em um momento importante como dar uma entrevista para a Fátima Bernardes?

Cacá- Fico muito feliz e grata por todas essas conquistas! Pra controlar o nervoso na hora de um momento importante de show ou entrevista, tento ficar sempre relaxada e focar na música, que é o que tenho dentro de mim e que me acalma. Confesso que antes ficava mais ansiosa e tímida, mas aos poucos a gente vai se acostumando e vai ficando mais fácil!

TFP- Dentre os artistas brasileiro, como Cássia Eller, Cazuza, Novos Baianos e Pitty qual você acredita que seja a sua maior inspiração? Tem algum que a música te toca de maneira mais sentimental?

Cacá- É impossível definir uma única “maior inspiração”! Acho que no momento minhas maiores referências brasileiras, no canto e na composição, são Cássia Eller, Frejat, Vitor Kley, Los hermanos, Liniker, Jhonny Hooker e Raul Seixas! Quanto a músicas nacionais que me tocam de maneira mais forte, são muitas também, mas hoje diria que são “Por Você” (Frejat), “Codinome Beija Flor” (Cazuza), “O Velho e o Moço” (Los Hermanos), “Pensando em você” (Paulinho Moska) e “Sua falta” (Vitor Kley).

TFP- Sua voz é muito incrível, e você tem um controle maravilhoso dela. Queria saber se você fez acompanhamento vocal para conseguir chegar nesse nível ou foi algo mais natural.

Cacá- Gratidão pelas palavras! Bom, acho que minha voz é algo que tenho de forma natural, porque vem muito de dentro, mas tenho que destacar a importância de ter trabalhado nela também! Fiz aula de canto até uns 10 anos com minha professora maravilhosa, Stella Campos, no Conservatório Mozart e tenho acompanhamento de minha fonoaudióloga, Terezinha Torres, desde uns 11 anos.

TFP- Como foi trabalhar em um clipe musical? Gostaria de saber sua experiência.

Cacá- A produção do clipe de Poeira de Estrelas foi algo muito incrível! Foram dois dias de gravação, com uma equipe maravilhosa que tornou tudo muito mais especial! No primeiro dia, terminamos de gravar na Casa de Castro Alves às 3 da manhã, apesar de cansados, ainda com uma energia surreal! A galera ainda estava toda lá, com muitas ideias e animação. No segundo dia, senti algo mais forte ainda, por conta da playlist que montei com Marcelo Brito, que é maravilhoso no que faz e como pessoa também! Ainda tive que atuar e acabei gostando muito, principalmente ao som de Queen e muito rock, acho que levo jeito!

A Macaco Gordo é incrível e fazer meu primeiro clipe com eles é algo que só tenho que agradecer! A equipe toda é muito profissional, criativa e tem uma energia massa! Gratidão total a todos!

Gostou da entrevista? O single Poeira de Estrelas está disponível no Spotify e outras plataformas.


Não deixe de apoiar os artistas locais.



  • YouTube
  • Twitter
  • Instagram

© 2020 por The Feminist Patronum.