the feminst patronum logo

Dica de documentário: TRANSHOOD

A HBO Max chegou no Brasil há quase um mês e seu catálogo está recheado de clássicos do cinema, grandes franquias, séries, originais e documentários renomados. Transhood é um dos longas do catálogo que realmente vale a pena ver.

O documentário foi gravado durante 5 anos, em Kansas City, nos Estados Unidos e conta a história de 4 jovens transgêneros. A vivência e as lutas de Avery, Leena, Phoenix e Jay são relatadas detalhadamente durante quase 2 horas no núcleo familiar e diário dos jovens.


O intuito do documentário ter uma gravação que ocorre durante 5 anos é visto no decorrer do seu acontecimento, com o amadurecimento e crescimento dos 4 jovens que passam diariamente por acontecimentos que normalmente não são vistas por um olhar cisgênero.


Durante o documentário, somos imersos nas incríveis histórias de:


  • Jay, um garoto trans de 12 anos e meio e mora com sua mãe, Bryce. No decorrer do documentário é mostrado as consultas do garoto com sua endocrinologista, o preconceito que ele sofre na escola, o preconceito por parte da família de sua primeira namorada e o início do seu tratamento com bloqueadores. O garoto acaba o documentário com quase 18 anos e a ponto de entrar para a faculdade, mais maduro, seguro de si e pronto para enfrentar o mundo.


  • Leena, uma garota trans de 15 anos que se descobriu transgênero aos 11. Com o apoio dos pais e da família, a garota descobre um universo de possibilidades para si e para seu futuro. Durante os 5 anos retratados no documentário a garota conhece seu primeiro namorado, começa sua carreira como modelo, enfrenta o ensino médio e fala da difícil realidade da disforia corporal que assola milhares de pessoas trans. Com 19 anos, no fim do documentário é possível enxergar uma Leena madura e pronta para a cirurgia de redesignação de sexo.


  • Avery, uma menina de cabelos coloridos e apenas 7 anos. Sua família a apoia inteiramente e a usam como modelo para comícios, propagandas locais e a garota chega até a ser capa da National Geographic. No decorrer dos anos, Avery se sente insegura para ser um modelo e figura pública, há uma grande luta entre querer ter voz para futuras crianças trans e viver uma infância tranquila. Com 12 anos no fim do longa, a garota continua com seus cabelos coloridos e muita vontade de desbravar o mundo.


  • Phoenix, com apenas 4 anos de idade. Durante os 5 anos que são filmados, Phoenix se denomina uma garota-garoto aos 4 anos e, aos 7, apenas como garoto. O gênero fluido da criança acaba afetando a família e é relatado durante o longa a separação dos pais e o processo de Phoenix como criança transgênero que acaba por não se identificar mais dessa forma ao ficar mais velha.



Com direção de Sharon Liese, produção de Sasha Alpert e produção executiva de Kimberly Reed, TRANSHOOD apresenta a vulnerabilidade, trajetória e histórias reais de quatro famílias corajosas que, ao dar suporte para seus filhos transgêneros, acabam perdendo familiares para o preconceito e entrando na luta contra a LGBTQIA+fobia.


#ProtectTransKids