Depressão na quarentena

Casos de depressão e ansiedade aumentaram em um mês de quarentena segundo pesquisa da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Em primeiro estudo, girava em torno de 4% a 5%, no segundo em 7% a 8%, segundo Alberto Figueiras, um dos responsáveis pela pesquisa.



Não sei vocês, mas eu estou a beira de um colapso nervoso.


Desde que a quarentena começou, escrevi um pouco sobre a cobrança de ser produtiva enquanto está em casa (confira aqui), mas isso não é a única coisa que vem me atormentando esses últimos dias. Claro, a pressão de produzir conteúdo de qualidade tem queimado alguns dos meus neurônios, e cheguei a falar pra vocês que a depressão estava me afastando das redes sociais e de tudo que um dia eu cheguei a gostar.

Segundo o Doutor Figueiras, “O que as evidências do nosso estudo sugerem é que essas pessoas precisam de um cuidado urgente, para ontem. Não adianta esperar a quarentena passar para depois tentar apagar o fogo”

Sinto que todo o trabalho que um dia tive para me manter longe dos pensamentos suicidas foi completamente em vão, já que em menos de 2 meses afastada das pessoas que gosto e da minha rotina, já surtei completamente.


Como lidar com o stress de querer criar conteúdo e ao mesmo se sentir inútil? Como lidar com a decepção de ver sua vida inteira ser adiada e não poder fazer nada?


Sei que estamos todos isolados por um motivo maior, e que estando em casa, salvamos vidas, mas até quando temos que fingir que estamos bem com a situação?


Vejo muitos influencers grandes agradecendo pelo corona, já que finalmente eles estão vendo o lado bom da vida. Sério mesmo? O lado bom da vida no meio de uma pandemia que está matando milhares de pessoas? O lado bom da vida enquanto muitos estão ficando desempregados e sem condições de lidar com suas despesas básicas?


A vida de ninguém é perfeita, então por que na internet há um esforço tão grande pra fingir que nada de ruim existe? Que a depressão está ai atormentando a vida de milhares de pessoas? Seria esse um dos motivos para as doenças psicológicas serem tão banalizadas? Fingimos tanto, e o tempo todo, que a miníma demonstração de tristeza se pareça com algo escandaloso?


Procure ajuda. Não tenha vergonha de falar que não está se sentindo bem. Há várias plataformas onde podemos encontrar profissionais capacitados para nos atender em momentos de crises como essa. Não deixe que tudo vire uma bola de neve. Você é importante.




nossa equipe tfp.png
  • YouTube
  • Twitter
  • Instagram

© 2019 por The Feminist Patronum.