Crítica "Polar"

Atualizado: 5 de Mar de 2019

O novo filme da Netflix, “Polar”, é baseado nos quadrinhos de mesmo nome (“Polar: Came from the Cold” de Victor Santos e parecia ser nova aposta da plataforma ao público que curte adaptações.


Seu elenco conta com nomes como Mads Mikkelsen (Hannibal), Vanesa Hudgens (High School Musical), e Katheryn Winnick (Vikings).



PLOT


O filme conta a história de Duncan Vizla (Mads Mikkelsen), também conhecido como Kaiser Negro, um incrível assassino de aluguel que está prestes a se aposentar.

Enquanto espera por seu aniversário de 50 anos (data em que ele estará oficialmente aposentado), Duncan vive numa cidade calma e distante de problema em Montana.


Uma antiga colega de trabalho entra em contato com o Kaiser Negro e pede que ele faça um último trabalho antes de dizer adeus à profissão, mas chegando no local acaba descobrindo que o verdadeiro alvo era ele mesmo e seus futuros 8 milhões de dólares. O personagem agora precisa combater seus inimigos para salvar não só a si mesmo, mas sua vizinha (Vanessa Hudgens) que é sequestrada.




O QUE ACHAMOS?


Os primeiros cinco minutos são extremamente decepcionantes e nada incentivadores, parecia uma mistura da franquia JackAss com Justiceiro – e bem, o filme acaba seguindo esse estilo Trash mesmo. Se prepare para muitas cenas de ação, sexo e palavrões.


O roteiro contém furos e a história é mal desenvolvida, abrindo espaço para situações que tentam ser cômicas, mas não trazem nada além de suspiros desanimados. Os constantes flashbacks do personagem principal e o pouco que sabemos sobre o mesmo criam uma aura de mistério em volta de Duncan, e Mikkelsen a carrega com grande destreza. A melhor parte do filme é finalmente descobrirmos o que suas memórias significam, mas mesmo esse desfecho deixa a desejar.


Como disse antes, o filme contém diversas cenas de ação, mas existe um segmento específico de tortura que é extremamente desconfortante. Caso seja sensível ao tipo de conteúdo Jogos Mortais, aconselho que avance um pouco nessa parte – você saberá quando chegar.


Além disso, a maioria dos personagens femininos são extremamente sexualizadas – chega a ser desconfortável para o telespectador.


A mais nova produção original Netflix prova que nem sempre um bom elenco consegue salvar um filme.


Polar já está disponível na Netflix.



*Vale lembrar que nossa equipe não leu os quadrinhos de Santos, e que nossa crítica é então baseada somente no conteúdo produzido pela Netflix.






nossa equipe tfp.png
  • YouTube
  • Twitter
  • Instagram

© 2020 por The Feminist Patronum.