Crítica - As Rainhas da Torcida

Como recomeçar quando se está no fim da vida? Você recolhe suas “tralhas”, que juntou a vida inteira, e decide como se livrar delas, pensa como sair porta a fora do lugar que passou anos de sua vida, sem saber o que vai lhe acontecer, bom, é isso que Martha (Diane Keaton) faz.


Distribuição: Diamond Filmes

Martha, uma mulher que viveu anos e anos no mesmo apartamento decide se mudar para uma comunidade de aposentados para morrer, já que a tem um câncer terminal e se nega a receber tratamento.

Martha nunca teve filhos, mas sempre teve um sonho nunca realizado, ser líder de torcida.


Ao chegar a seu novo lar, conhece Sheryl (Jacki Weaver), sua vizinha, que no começo a tira do sério com sua animação e inconveniência, mas que acaba se tornado sua amiga, e juntas acabam criando um clube de lideres de torcida da terceira idade.

As duas então saem em busca de membros para seu clube, abrindo audições para o publico, com a ideia de se apresentar no show de talentos da comunidade.


Divulgação: Diamond Filmes

Com personagens divertidos e cativantes, “As Rainha da Torcida” nos estimula a acreditar em nossos sonhos, mesmo se acharmos que já passamos da idade de realizá-los. Além disso, o modo muito bem humorado com que o filme aborda a idade dos personagens, mostrando que os idosos também podem ter uma vida normal e divertida


Não existe idade para ser #girlpower


Distribuição: Diamond Filmes

As Rainhas da Torcida


Título Original: Poms


Gênero: Comédia


Elenco: Diane Keaton, Jacki Weaver, Pam Grier, Rhea Perlman, Celia Weston, Phyllis Somerville, Alisha Boe, Charlie Tahan, Bruce McGill


Diretora: Zara Hayes


Ano de produção: 2019


Confira o filme nos cinemas!












nossa equipe tfp.png
  • YouTube
  • Twitter
  • Instagram

© 2020 por The Feminist Patronum.