Conheça: Carolina Maria de Jesus

Carolina Maria de Jesus, nasceu na cidade de Sacramento, em Minas Gerais, no dia 14 de março de 1914, uma comunidade rural, onde seus pais eram analfabetos. Filha ilegítima de um homem casado, foi maltratada durante toda a sua infância. Aos 7 anos de idade, sua mãe lhe obrigou a frequentar a escola.


Seus estudos foram custeados pela esposa de um rico fazendeiro, mas o curso foi interrompido no seu segundo ano, o suficiente para a menina aprender a ler e desenvolver o gosto pela leitura.



Em 1937, sua mãe faleceu, e a única alternativa de Carolina foi migrar para a grande metrópole de São Paulo, onde construiu sua própria casa, usando qualquer material que pudesse encontrar. Além disso, tentava sobreviver com grande dificuldade para manter a si mesma e a seus três filhos, catando papéis.


Em 1947, com 33 anos de idade, desempregada e grávida, ela se instalou na extinta favela do Canindé, momento em começavam a surgir as primeiras comunidades. Depois de um tempo, Carolina conseguiu um emprego na casa de um cardiologista, onde podia ler livros nos momentos de folga.


Em 1958, seu diário (onde relatava todo o seu cotidiano como catadora) acabou se tornando um livro, e em 1960, foi publicado sob o título “Quarto de Despejo”, com o auxílio de um jornalista chamado Audálio Dantas. O livro fez um sucesso enorme, e chegou a ser traduzido para 14 línguas.



Depois da publicação de seu livro, Carolina e a família teve que lidar com a raiva e a inveja dos vizinhos, que a acusavam de os expor sem autorização. Por esse motivo, jogavam nela e em seus filhos os restos de seus penicos.


Se mudou para Santana, um bairro de classe média de São Paulo, e com o próprio dinheiro publicou um romance intitulado “Pedaços de Fome” e o livro “Provérbios”. Em 1969, depois de juntar suas economias, se mudou para Palheiros, Zona Sul de São Paulo, no pé de uma colina.


Carolina nunca quis se casar, pois achava que isso era se submeter ao homem. Cada um de seus filhos foi fruto de um relacionamento diferente.


Em 13 de fevereiro de 1977, Carolina Maria de Jesus falece, vítima de insuficiência respiratória.


Carolina de Jesus foi uma das primeiras escritoras negras do Brasil, e até hoje é considerada uma das mais importantes. Além de escritora, foi compositora e poetisa. Até hoje sua obra segue como objeto de estudo, tanto no nosso país, quanto no exterior.


“… Eu escrevia peças e apresentava aos diretores de circos. Êles respondia-me:
— É pena você ser preta.
Esquecendo-se êles que eu adoro a minha pele negra, e o meu cabelo rustico. Eu até acho o cabelo de negro mais iducado do que o cabelo de branco. Porque o cabelo de preto onde põe, fica. É obediente. E o cabelo de branco, é só dar um movimento na cabeça êle já sai do lugar. É indisciplinado. Se é que existe reincarnações, eu quero voltar sempre preta”.




nossa equipe tfp.png
  • YouTube
  • Twitter
  • Instagram

© 2020 por The Feminist Patronum.