the feminst patronum logo

Como foi a Parada do Orgulho LBGTQIA+ 2022

A 26° edição da Parada do Orgulho aconteceu no último domingo, dia 19 de junho. Os trios elétricos e o mar de gente seguiu da Avenida Paulista até a praça Roosevelt. Seguindo a APOLGBT, que organiza o evento, 4 milhões de pessoas compareceram.


Marta Suplicy na Parada | Créditos: Eduarda Marina
Sara Wagner York | Créditos: Eduarda Marina

Rey Neves Fama | Créditos: Eduarda Marina
Caroline Lauzem | Créditos: Eduarda Marina

Artistas como Liniker, Pabllo Vittar, Ludmilla, Luisa Sonza, Kaka Di Polly, Tiago Abravanel, Matheus Carrilho, Pepita, Mc Trans, entre outras pessoas extremamente talentosas representaram nessa parada.


Pudemos ver pessoas representando todas as letras da comunidade, de todas as idades e lugares, participando com muito orgulho dessa revolta. Assim como foi uma revolta a primeira parada do orgulho, após Stonewall, a que temos hoje em dia em todos os países também é um protesto a favor de nossos direitos, uma rebelião contra o conservadorismo.






Quando temos espaço para sermos felizes e festejar, espaço para cantar e dançar, se esbanjando de nossa cultura, usamos nossos corpos políticos como ferramentas para a revolução: vamos às ruas reivindicar por nossos direitos e celebração de nossa existência e resistência.


Segundo o IBGE, há cerca de 2 milhões de pessoas LGBT no Brasil, ou seja, todos os gays da nação estiveram presentes na parada de São Paulo.


Apesar da extensa multidão que provoca tumultos e perrengues, é lindo ver tanta gente acreditando no amor.










Keila Simpson, Presidenta da Antra | Créditos: Eduarda Marina
Créditos: Eduarda Marina
Créditos: Eduarda Marina


Que a parada de 2023 venha ainda melhor, mais lotada, com mais representatividade e mais comunidade (menos marcas), comemorando mais conquistas.




thheeeee feeeeem (1).png