the feminst patronum logo

4ª temporada de The Handmaid's Tale estreia após hiato


No último dia 28 de abril, entrou ao ar a quarta temporada de The Handmaid’s Tale, após hiato de dois anos


Dois anos depois da última temporada, June está de volta e promete destruir Gilead. Em sua estreia, foram lançados os três primeiros episódios, todos em extrema intensidade e um tanto de violência superior ao das últimas temporadas. A volta de The Handmaid's Tale é marcada pela sequência de acontecimentos após a partida do avião que levara as crianças e as Marthas para o Canadá, e o ferimento à bala que June havia sofrido.


O melhor episódio, até o momento, foi o terceiro, que conta com a produção de Elizabeth Moss. A excelência da atriz é provada na frente e por trás das câmeras. Toda a tortura, física e psicológica, além de te colocar dentro do enredo, sentindo o que June e todas as outras sentem, vai mais a fundo das atrocidades de Gilead, quando você acha que aquele regime foi longe demais, está enganado.


Um problema, acredito que o único, é a romantização da relação do Nick e June. Embora June declare que “ame” Nick, inclusive no áudio que envia à Luke, seu marido. A essa altura, é difícil acreditar que o Olho faz o que faz para "proteger" June, o que vai completamente na contramão do personagem de Elizabeth Moss: uma líder determinada, alguém que preza pela vida fora daquele regime totalitário (embora às vezes soe egoísta). Ela é uma pessoa que não precisa ser salva, ela é a combatente e todas essas atitudes a tornam um símbolo e carregam novas pessoas ao Mayday: Aias, Marthas, Motoristas, esposas…


Vemos também um crescente protagonismo de Janine, que vê sim, June como guia, por assim dizer, mas que após o incidente no terceiro episódio, rebate algumas falas e se posiciona. Vemos também maiores flashs de seu passado, recurso bastante utilizado na trama.


O (não) casal, Fred e Serena, “presos” (a tal “cela” parece o quarto de um hotel). Serena vê em Rita a oportunidade de obter um depoimento que seja prejudicial e possa condenar Fred. “Minha amiga”. As Martha’s que são propriedades dos comandantes, e das famílias em si, diante disso, meu maior prazer até o momento foi Rita dizendo para o Fred que não são amigos.


Diversas teorias estão rolando nos fóruns, muitas incertezas e aflições. Será que vamos finalmente ver Gilead cair? Baseado em outras distopias, como 1984, por exemplo, infelizmente, é meio improvável que aconteça.


Os episódios vão ao ar todas às quartas-feiras na Hulu. No Brasil, a série pode ser acompanhada na Paramount+.





estelar tfp.png